Deputados voltam a pedir ao Governo novos apoios económicos para fazer face à crise

Song Pek Kei
FOTOGRAFIA: Eduardo Martins

Foram vários os deputados que ontem, na reunião plenária da Assembleia Legislativa (AL), usaram as suas intervenções antes da ordem do dia para pedirem ao Governo que implemente novas medidas de apoio económico para minimizar os efeitos da crise deixada pela pandemia. “A prevenção da epidemia é prioritária, mas a economia também é importante, pois a negligência de uma delas acarreta graves prejuízos”, afirmou Song Pek Kei.

André Vinagre

andrevinagre.pontofinal@gmail.com

Os deputados à Assembleia Legislativa (AL) continuam preocupados com a recuperação económica de Macau. Na reunião plenária de ontem, Song Pek Kei, Ella Lei, Ip Sio Kai e Ho Ion Sang pediram novas medidas de apoio económico para residentes e empresas.

Ella Lei propôs: “Esperamos que o Governo possa implementar a terceira ronda de medidas de apoio económico, para continuar a apoiar as pessoas a ultrapassar as dificuldades, e as autoridades devem elaborar, quanto antes, as medidas necessárias para garantir a vida da população”. Para dar resposta à crescente taxa de desemprego dos residentes, a deputada pediu que o Governo continue a “envidar esforços para assegurar que os residentes locais tenham prioridade no acesso ao emprego”. 

A deputada sugeriu também que o Executivo alargue o âmbito dos destinatários dos cursos de formação remunerada e que implemente “medidas concretas de formação e apoio ao emprego dos locais, consoante as situações dos diversos sectores, ajudando a reintegração dos residentes afectados pela epidemia no mercado laboral”.

No hemiciclo, a deputada Song Pek Kei começou por lembrar que “a prevenção e o combate à epidemia foram bem feitos em Macau, mas a economia dependente só do jogo e do turismo sofreu grande impacto”. Segundo a parlamentar, “a sociedade está muito preocupada com isto e tem medo de que as empresas não consigam sobreviver”, o que poderá afectar a situação do emprego.

“A prevenção de epidemia é prioritária, mas a economia também é importante, pois a negligência de uma delas acarreta graves prejuízos”, alertou Song Pek Kei, acrescentando que “o Governo deve tomar medidas rigorosas de prevenção para as pessoas e alimentos congelados oriundos da Europa e América, onde a situação é grave”. Por outro lado, “o interior da China, devido às vantagens da estrutura política, conseguiu o melhor e o mais rápido controlo da epidemia, e graças ao apoio do país, a integração de Macau no ciclo interno económico do país implica oportunidades preciosas, que devem ser bem aproveitadas pelo Governo, para promover a circulação de pessoas, capitais e mercadorias, mesmo com as medidas de prevenção”.

Song Pek Kei pediu ainda ao Governo que revisse as medidas internas de controlo de epidemia, com o objectivo de “encontrar o melhor equilíbrio entre o laxismo e o rigor, para impulsionar a plena recuperação do consumo interno”. 

Ho Ion Sang fez um balanço das Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2021, apresentadas pelo Governo na segunda-feira. Ho Iat Seng não esclareceu qual seria a forma de atribuição do plano de comparticipação pecuniária para o próximo ano, e afirmou: “Espera-se que o Governo possa definir, quanto antes, a forma de atribuição e acelerar o processo, para os cidadãos a receberem rapidamente, reduzindo os seus encargos económicos”.

O deputado recordou que a segunda ronda do cartão de consumo termina no final de Dezembro e que o plano de apoio a empresas, que estipula que as empresas beneficiárias não podem despedir sem justa causa os seus trabalhadores num prazo de seis meses, também termina no final do ano. Portanto, “espera-se que o Governo reforce a promoção turística, consolide os sectores predominantes, jogo e turismo, reveja continuamente a situação social e económica, e estude o terceiro plano de apoio económico, nomeadamente, destinado às PME, para estas conseguirem sobreviver sob a recessão económica e assegurar os postos de trabalho”.

Ip Sio Kai também pediu ao Governo que se foque na recuperação económica, nomeadamente, que implemente uma terceira fase do fundo de prevenção e controlo da epidemia, “para aliviar, objectiva e eficazmente, as dificuldades das PME, em termos de financiamento”.

Leave a Reply

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s