Valores de poluição atmosférica confundem utilizadores da página electrónica dos SMG

Fotografia: Eduardo Martins

Investigadores do Instituto de Ciências e Ambiente da Universidade de São José (USJ) indicam que a razão para o índice da qualidade do ar calculado em Macau estar sempre abaixo daquele apresentado nos sites internacionais dever-se ao facto dessas fontes usarem limites diferentes nos cálculos do AQI. Macau estipula um limite três vezes superior à concentração mínima de valores dos poluentes recomendado pela OMS.

Cláudia Aranda

claudia.aranda.pontofinal@gmail.com

Ontem a dúvida instalou-se na conversa entre os membros do grupo de voluntários que se tem reunido regularmente para fazer recolha de lixo na costa de Coloane, com o mentor do grupo, Gilberto Camacho, a questionar online, em mensagem fechada ao grupo, a razão para o índice de qualidade do ar (AQI, na sigla inglesa) publicado na página electrónica da Direcção dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau (SMG) apresentar valores mais baixos em comparação com os níveis de qualidade do ar apresentados em websites internacionais ou em aparelhos portáteis de leitura do AQI. Inicialmente, a hipótese colocada era a de que um dos websites estaria “errado”, podendo dar-se o caso dos equipamentos de medição da poluição atmosférica do Governo estarem a fazer leituras incorrectas.

Dúvidas em relação a um possível mau funcionamento das máquinas de medição dos SMG dos poluentes atmosféricos foram desde logo dissipadas por David Gonçalves, director do Instituto de Ciências e Ambiente da Universidade de São José (USJ) em conversa com o PONTO FINAL.  “O que me parece e o que tem sido a nossa experiência até agora, é que os dados que são recolhidos pelo Governo são dados fidedignos, são tecnicamente competentes, e feitos com os equipamentos apropriados, e se olharmos para as medições e para os valores que existem regionalmente não só na própria China Continental, mas também em Hong Kong e mesmo nos países circundantes, os valores que são reportados pelos aparelhos do Governo de Macau batem certo com aquilo que está a ser reportado noutras regiões geográficas aqui à volta”, afirmou David Gonçalves. Com a ressalva de que a USJ não realiza medições directas para poder comprovar se os valores estão correctos ou não, sublinhou que “nada nos indica que não estejam”. “Do que conhecemos dos aparelhos e da maneira de fazer a análise dos dados, esta é realizada de uma maneira competente e de acordo com os ‘standards’ internacionais”, continuou, admitindo que “o que por vezes suscita algumas confusões é que os ‘thresholds’ [limite máximo] usados em Macau são diferentes dos [mínimos] recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ou noutros lados do mundo. Portanto aquilo que é um valor que em Macau pode ser considerado um AQI de uma determinada grandeza noutro local é considerado de outra grandeza”.

Há muita desinformação

Ágata Dias, docente, e investigadora no Instituto de Ciências e Ambiente da USJ, especialista nesta matéria, indicou que “há desinformação”, sendo que, em relação aos equipamentos que se usam e se mostram no Facebook, “é preciso ter algum cuidado, porque nem todos são acreditados e nem todos podem ser indicativos”. A professora referiu ainda que, na verdade, não há informação errada, há sim, parâmetros de medição diferentes.

A investigadora começou por distinguir o AQI, que “é meramente indicativo, que difere de região para região e de site para site”, e que tem por base os valores de concentração dos poluentes atmosféricos, que são, por exemplo, os PM (material particulado) o Ozono, o Enxofre, o Azoto, explicou. É a estes valores que a cientista recomenda os residentes de Macau estarem atentos na consulta à página dos SMG.

Os limites de concentração de poluentes atmosféricos estabelecidos pela OMS para os PM, por 24 horas, são para os PM10 de 50 microgramas por metro cúbico e para os PM2.5 de 25 microgramas por metro cúbico. “A partir desta concentração o ar está ‘unhealthy’”, ou insalubre, afirmou a professora, “sendo que a perigosidade vai aumentando à medida que a concentração aumenta”.

“Só que a OMS também diz que, para países com um ar muito carregado de poluentes que se podem usar outros patamares, que não são tão saudáveis”, adiantou Ágata Dias. Macau está num desses patamares. “No AQI de Macau, os limites das concentrações dos poluentes usados para calcular o índice estão estabelecidos pelo ‘Interim target-1 (IT-1)’ da OMS. Neste IT-1 os valores dos poluentes estão três vezes acima da concentração esperada para um ar perfeitamente saudável e com risco para a saúde próximo de 0%”, explicou a professora. Daí, prosseguiu, “o índice calculado em Macau estar sempre abaixo de sites internacionais como o AQICN ou o WAQI (‘World’s Air Pollution: Real-time Air Quality Index’), pois os sites usam limites diferentes nos cálculos dos seus AQIs”. Ainda relativamente a Macau, os limites utilizados, também da OMS e usados pelos SMG, são para os PM10 igual a 150 microgramas por metro cúbico e para os PM2.5 igual a 75 microgramas por metro cúbico.

“Ou seja, apesar destes limites usados no cálculo do AQI estarem estabelecidos pela OMS e serem adoptados em Macau e em muitos outros locais do mundo, sabe-se, e está estabelecido pela OMS, que poderão aumentar o índice de risco para a saúde em 15%”, refere a cientista. Mas, sublinha Ágata Dias, “é assim em Macau, e é assim em todo o lado”. “Para cada AQI, dependendo de onde estamos, nos Estados Unidos, Portugal, Inglaterra, Itália, eles estabelecem ou os limites da OMS ou outros um bocadinho acima, dependendo da qualidade do ar dos sítios, porque se vão sempre usar o limite mais inferior – e nós não queremos ouvir isto – mas, na realidade se usarem sempre o limite mais inferior num sítio onde há muita poluição, então os níveis vão ser sempre insalubres”, explicou.

Mas, adiantou, o que “tem sido feito nos últimos anos é que os índices que tinham determinados valores estabelecidos por cada Governo, por cada território, à medida que o tempo foi passando e também por uma pressão cientifica e da população, têm vindo a baixar e a estar mais de acordo com os limites da OMS”.

Esclarecer é preciso

Vivemos num local onde existem períodos perigosos, é muito triste mas é verdade, existem dias que são verdadeiramente perigosos para a saúde”, prosseguiu Ágata Dias. “O que posso dizer é que, se calhar, deveria haver um melhor esclarecimento à população para que ela consiga saber gerir. Já que não conseguimos mudar a qualidade do ar pelo menos que as pessoas saibam gerir a sua vida de acordo com a situação”, sugeriu a investigadora. “Nós aqui em Macau, o que eu faço nestes dias mais perigosos, eu não ligo ao índice AQI, porque já sei que usa valores em que os níveis que são usados para estabelecer os vários intervalos de perigosidade são maiores do que aqueles que são recomendados pela OMS. E, portanto, eu não olho para os índices eu, vou olhar paras concentrações dos poluentes que são providenciados pelos SMG hora a hora”, disse. Este é um valor fornecido na página dos SMG, na secção qualidade do ar – concentração dos poluentes – com informação de índice horário e diário.

Frisando que as diferenças entre os websites “não quer dizer que Macau está mal, porque nos outros países e territórios também é assim”, a professora voltou a sublinhar que o que está em causa “é um cálculo diferente, que do meu ponto de vista deveria usar limites um bocadinho mais baixos para nós termos uma noção mais real daquilo que estamos a respirar, mas isto não é só em Macau, são decisões políticas que acontecem em Macau como acontecem em todas as partes do mundo”, disse.

Em relação às máquinas de medição da poluição, a professora referiu que “Macau é o território no mundo que tem maior concentração de equipamentos para monitorizar o ar. Num território tao pequenino temos dois equipamentos em Coloane, dois na Taipa e dois em Macau, que medem todos os poluentes que existem. Não acontece esta concentração em mais lado nenhum do mundo. Portanto, bem monitorizados e com os valores reais no nosso computador estamos, e acho que isso é uma mais valia”, concluiu.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s