Jornalistas da Reuters no Myanmar recorrem da sentença de prisão

FOTO
FOTO EPA

Os dois jornalistas da Reuters condenados a sete anos de prisão por violação do segredo de Estado quando investigavam o assassínio de membros da minoria muçulmana Rohingya no Myanmar recorreram ontem da sentença, anunciou um advogado.

“Apresentei o recurso esta manhã [ontem] ao Tribunal Superior de Justiça”, afirmou Than Zaw Aung, um dos advogados dos dois jornalistas da Reuters. O advogado acrescentou ainda que “o Tribunal Superior irá encontrar várias lacunas na sentença imposta pelo juiz de primeira instância” e que se verificará que “o jornalismo no Myanmar não é crime”.

Wa Lone e Kyaw Soe Oo foram detidos na noite de 12 de Dezembro de 2017 na posse de documentos confidenciais que, segundo dizem, acabavam de lhes ser entregues por dois agentes da polícia local com quem se tinham reunido.

Os jornalistas encontravam-se a investigar um massacre de membros da minoria muçulmana Rohingya na aldeia de Inn Dinn, no estado de Arracão, na zona oeste do país.

Em nome de uma lei da era colonial, as autoridades acusaram os dois homens de terem obtido documentos secretos sobre a operação militar em Arracão, segundo a agência de notícias espanhola EFE. A operação militar foi executada depois de uma série de ataques de um grupo de rebeldes rohingyas em postos fronteiriços no dia 25 de agosto de 2017.

O advogado disse confiar que os dois detidos têm “mais possibilidades” de serem absolvidos no Tribunal Superior, mas referiu ainda que, no caso de se manter a acusação, emitida no passado dia 3 de Setembro por um tribunal de Rangum, irá recorrer ao Tribunal Supremo.

O presidente da agência Reuters, Stephen J. Adler, afirmou em comunicado que “ao condená-los como espiões, ignoram-se provas convincentes de uma armadilha orquestrada pela polícia”, pedindo ao Myanmar que proceda em nome do “estado de direito, da liberdade de imprensa e da democracia”.

O caso atraiu a atenção da comunidade internacional que tem visto as reformas democráticas no Myanmar a estagnar durante o governo da dirigente e Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, que não mostrou qualquer apoio à liberdade de expressão no caso dos dois jornalistas sentenciados a sete anos de prisão.

O tribunal recusou retirar a sentença mesmo depois do depoimento de um agente da polícia ter confirmado a versão dos jornalistas. Depois de ter testemunhado, o agente foi preso por um ano por ter violado a regulamentação policial.

Cerca de 725.000 rohingyas fugiram para o Bangladesh em consequência da ofensiva militar classificada pela ONU como “genocídio”, “crime contra a humanidade” e “crime de guerra”. Agência Lusa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s