Yan Pat-to: PSP insiste que aplicou a lei, petição online pede encontro com autoridades

barrado
FOTO YAN PAT-TO

O comissário do Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP),  Kei Wa Nao, presente na zona de inspecção entre Macau e Zhuhai na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, afirmou ontem que as autoridades podem impedir a entrada de pessoas, caso considerem que elas não cumprem a lei. “Nós verificamos as condições daquela pessoa, se não estão de acordo com a lei, então nós impedimos a entrada”, respondeu o responsável, ao pedido de justificação para a recusa de entrada em Macau do dramaturgo de Hong Kong, Yan Pat-to, na segunda-feira. O comissário da PSP alegou “leis de segurança pública e regulamentos de imigração em geral” para impedir a entrada de visitantes, sem esclarecer de que maneira o escritor possa ter infringido a lei.

“Da próxima vez vamos verificar novamente as condições desta pessoa, cada caso é um caso, da próxima vez verificamos novamente”, acrescentou o comissário Kei Wa Nao, respondendo à questão se as autoridades vão voltar a impedir a entrada do escritor.

Não obstante ser um visitante regular da cidade, Yan Pat-to, viu recusada a sua entrada no território pelas autoridades, no Terminal Marítimo do Porto Exterior, sob a alegação de que vinha participar em “actividades que podem comprometer a segurança pública ou ordem pública da RAEM”. O escritor era convidado do Macau Theatre Culture Institute e da International Association of Theatre Critics (Hong Kong), para uma conferência, a última de uma série de 10 dedicadas ao teatro ocidental.

Entretanto, circula desde segunda-feira uma petição na página electrónica da organização de teatro de Hong Kong, ARTicipants, a solicitar uma reunião com a Polícia de Segurança Pública e exortando o Governo de Macau a dar uma resposta credível a este caso. “Estamos extremamente insatisfeitos com este incidente profundamente lamentável, uma vez que as autoridades de Macau ainda não explicaram claramente a lógica subjacente à aplicação desta lei” – a lei de bases da Segurança Interna, invocada na notificação de recusa de entrada do CPSP. Os autores da petição exigem explicações do Governo de Macau para alegar que o dramaturgo vinha participar em actividades que punham em causa a segurança pública. C.A.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s