Zona A dos novos aterros vai ter “aldeia educacional” com capacidade até 13 mil

A Zona A dos novos aterros de Macau vai incluir lotes de terreno destinados à construção de uma “aldeia escolar” com capacidade até 13 mil vagas, anunciou Li Canfeng, presidente do Conselho de Planeamento Urbanístico (CPU). “Depois da transferência de soberania ainda não tinha havido uma tão grande concessão de terrenos para uso educacional”, afirmou o membro do CPU, Vong Kuoc Ieng, director da escola Choi Nong Chi Tai, que espera que o Governo construa a aldeia escolar ao mesmo tempo que a habitação pública.

 

Cláudia Aranda

 

A Zona A dos novos aterros de Macau vai incluir lotes de terreno destinados à construção de equipamentos escolares com capacidade até 13 mil vagas. O anúncio foi feito ontem por Li Canfeng, presidente do Conselho de Planeamento Urbanístico (CPU) e director da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, no final da reunião do CPU.

Li Canfeng avançou que na quarta-feira foram analisados e discutidos os lotes para os quais estão previstas 11 mil vagas escolares. Mas, que há outros dois lotes previstos, que vão ser discutidos nas próximas reuniões do CPU. Na sua totalidade, os terrenos vão permitir criar uma aldeia escolar, que poderá acomodar até 13 mil  estudantes.

Nós elaborámos esta planta devido aos escassos recursos de terrenos na Zona A e para melhor aproveitamento de recursos, tivemos em consideração a utilização comum de espaços desportivos, centro de juventude e, ao mesmo tempo, abrir ao uso público para partilhar os recursos, por isso, esta zona é considerada uma aldeia educacional”, afirmou Li Canfeng.

Um dos membros do CPU, Vong Kuoc Ieng, director da escola Choi Nong Chi Tai, manifestou-se satisfeito “em ouvir que este espaço com milhares de metros quadrados seja destinado para fins educacionais, porque, na verdade, depois da transferência de soberania não tinha havido ainda assim uma grande concessão de terrenos para uso educacional”, destacando que a “concepção de aldeia escolar é uma inovação em Macau”. E recomendou que “a construção destes equipamentos escolares se realize ao mesmo tempo que a habitação pública”, que “o serviço público esteja em cooperação estreita com os serviços de educação, por forma a criar um mecanismo de trabalho que permita diálogos mais directos, de maneira a que a construção na zona A consiga satisfazer a necessidade real da população”.

O presidente do CPU declarou que os serviços estão já em contacto com a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) para a análise da melhor forma de utilizar os terrenos. “Sim, sim temos uma comunicação estreita com o serviço de educação, e quanto ao planeamento geral já projectámos conforme o futuro da densidade populacional na Zona A, pelo que nós prevemos 13 mil vagas escolares, ou seja, entre 11 mil e 13 mil vagas para a Zona A”, disse.  

O Governo pretende construir 28 mil fracções públicas na Zona A dos novos aterros. Li Canfeng explicou que em relação à emissão das planta de condições urbanísticas (PCU), o Executivo dividiu o projecto em quatro fases. “Hoje (ontem) já foi a segunda fase, a terceira e quarta fases vão ser emitidas no futuro, no total são 28 mil fracções, mas como é obra pública vamos dar prioridade”, afirmou.

O presidente do CPU disse, ainda, que estão em fase de estudo e concepção de projecto as vias de acesso entre a Zona A dos novos aterros e a península de Macau, que vai fazer-se através de viadutos com ligações à rotunda da Pérola Oriental, Rua dos Pescadores e Porto Interior. A Zona A e Zona B dos novos aterros deverá ligar-se por túnel.

 

Aprovada na Rua da Barca “reconstrução com manutenção do estilo”

 

Foi após acesa discussão entre membros com opiniões divergentes que o Conselho de Planeamento Urbanístico aprovou um projecto de obras privado na Rua da Barca nº1 e Rua de Manuel Arriaga nº28.

Alguns membros mostraram-se divididos entre a preservação da fachada e a sua demolição, enquanto que a representante do Instituto Cultural descartou quaisquer obstáculos no avanço do projecto.

“Este edifício não está classificado na lista de Património Cultural, em relação ao IC, nomeadamente na protecção do Património Cultural não temos qualquer restrição em relação ao seu desenvolvimento”, disse Leong Wai Man, presidente substituta do IC e vogal do CPU.

O arquitecto Leong Chong In e o membro Lam Iek Chit mostraram-se a favor da preservação da fachada original do edifício. “Acho que para manter a fachada e alargar a altura penso que é uma opção, não tem que demolir todo o edifício, convém manter a fachada”, defendeu Lam Iek Chit. Já Leong Chong In destacou a necessidade de haver critérios uniformizados em relação à preservação ou demolição de edifícios, mesmo que não estejam classificados como património. “Este edifício não está classificado na lista de Património Mundial, mas tem a sua história, vários anos de história”, disse. “Não estou de acordo com a aprovação (da reconstrução sem preservação da fachada), acho que a situação de ruína do edifício, as condições de higiene, não é base para dizer se é para demolir ou para preservar. Macau tem edifícios em condições ainda piores, sendo assim acho que nos futuros projectos temos que ter critérios uniformizados”, afirmou Leong Chong In.

A obra acabou por ser aprovada com a proposta de que a reconstrução mantenha o estilo arquitectónico original. “Sugiro a aprovação do projecto com ajustamentos, que os colegas das Obras Públicas melhorem o estipulado, tendo em conta a necessidade de manutenção do estilo, da paisagem e da via”, concluiu Li Cangeng.

Ontem, os membros do CPU discutiram 18 plantas de condições urbanísticas de obras públicas, relativas à habitação pública na Zona A das Novas Zonas Urbanas e outras oito obras privadas, tendo sido aprovados todos os projectos.

Leave a Reply

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s