A desconstrução do corpo e do teatro convencional, cortesia da Comuna de Pedra

“De-corps-struction” é uma série de performances organizada pela Associação de Arte e Cultura Comuna de Pedra que explora as possibilidades do corpo e a desconstrução da natureza das apresentações teatrais. O primeiro espectáculo, “A Possible Path to Insomnia”, apresenta-se nos dias 25 e 26 de Agosto. Seguem-se “RealityDistance” e “The Pedra Sidequel”.

Joana Figueira

joanafigueira.pontofinal@gmail.com

 

“De-Corps-struction” promete alternativas a um público que se vê rodeado pelo teatro, dança e música convencionais. Dá espaço às artes performativas que mostram perspectivas diferentes sobre o movimento, a sua intensidade e intenção; aquilo que norteia a expressão artística. “A ideia é oferecer ao espectador local mais variantes da arte, uma vez que, na maior parte das vezes, o que recebe é o convencional”, disse Jenny Mok, presidente da Associação de Arte e Cultura Comuna de Pedra e curadora desta série de performances que, depois da estreia este mês, espera que venha a tornar-se uma iniciativa anual.

A série abre com “A Possible Path to Insomnia” (“Um Possível Caminho para a Insónia”, em português), um espectáculo sobre o processo de partilha em contexto de comunidade. Dança, movimento, paisagem sonora, música experimental improvisada, projecção e instalação de arte dão forma à criação que vem Hong Kong, coreografada e interpretada pelo grupo “greenmay” e produzida por Andy Lo.

Serviu-lhe de base a Revolução dos Guarda-Chuvas, que teve lugar em Hong Kong há sensivelmente três anos. “Há um conceito em ‘A Possible Path to Insomnia’ sobre ser um indivíduo, como se envolver na sociedade e como definir espaço público enquanto indivíduo que se insere numa sociedade”, explicou Jenny Mok ao PONTO FINAL.

Em Macau, a performance apresenta-se nos próximos dias 25 e 26, com ponto de encontro nas instalações do Teatro Experimental Hiu Koc; segue-se o Armazém do Boi e, depois, a Live Music Association (LMA), onde termina. “É uma actuação especial porque não vai decorrer em apenas um lugar. A audiência vai circular por três espaços diferentes e trata-se mais de uma experiência em comunidade do que de uma performance”, apontou a curadora.

No mês de Outubro, nos dias 6, 7 e 8, apresenta-se o programa duplo “RealityDistance”: “Non Reality”, de Oscar Cheong, com enfoque na desconstrução das estruturas sociais, e “Distance”, de Jojo Lam, sobre a distância que separa as relações humanas e a sociedade.

Em Novembro, “The Pedra Sidequel” sobe ao palco do Teatro Caixa Preta do Edifício Antigo Tribunal, entre o dia 3 e o dia 5. A criação é de Dick Wong e terá como intérpretes três membros da Comuna de Pedra. “Como reagir às mudanças da sociedade ou do mundo? O que significam essas mudanças? Como se define e redefine uma relação entre os indivíduos e a arte?”, revelou Jenny Mok sobre o conceito por detrás da performance.

UMA PLATAFORMA PARA ESTILOS PERFORMATIVOS INOVADORES

“Nos últimos sete ou oito anos, creio, existe uma maior ideologia de consumo na cidade, que leva as pessoas a terem mais dinheiro e, ao invés de procurarem atividades culturais, procuram mais entretenimento”, sublinhou Jenny Mok. Para a curadora, as artes performativas contemporâneas, como o teatro físico e de dança, requerem um “envolvimento intelectual que se contrapõe às mensagens directas recebidas de um filme de Hollywood”, por exemplo.

Macau “é densa”; contudo, em termos de percentagem de pessoas que vai ao teatro, não se mostra significativa. “Aqueles que se interessam por teatro alternativo, são ainda menos”, indicou Mok, notando que “é uma questão relacionada com a forma tradicional como a cena artística está construída, bem como a atmosfera, em geral, [de Macau], e daquilo que as pessoas gostam”.

A curadora destacou o desenvolvimento da cena artística em Macau, denunciando, ao mesmo tempo, o grande foco atribuído ao “mainstream”, aquilo que é mais comercial e dominante. “Até mesmo a dança moderna, em Macau, é considerada alternativa. Não que considere que isto deva definir-nos [Comuna de Pedra] como alternativa, mas tendo em conta a forma como o público reage, revelamo-nos tipos de artes performativas alternativas.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s