Deputados pedem ao Governo que dê prioridade à habitação

images0-2014-1_IMG_2323_830196170

Três deputados invocaram ontem o problema das casas em Macau, com pedidos como um novo concurso para fracções económicas em 2018, uma percentagem da habitação pública destinada aos jovens e a reserva dos terrenos nos novos aterros para residentes.

O deputado da ala pró-democracia Ng Kuok Cheong, que falava numa intervenção antes da ordem do dia na Assembleia Legislativa de Macau, argumentou que as obras dos novos aterros estão a terminar, mas “ainda não há planos que garantam que os referidos terrenos se destinam às pessoas de Macau, com vista a dar resposta às necessidades habitacionais, porque ainda não dispomos de um mecanismo que nos assegure essa garantia”.

“Sugiro novamente ao governo a implementação de um mecanismo que separe e limite as finalidades investimento e habitação, por exemplo, que seja definido o número de transacções das fracções habitacionais, e que só os residentes permanentes de Macau que tenham uma fracção em Macau possam adquirir uma fracção naquela zona”, afirmou.

O deputado Au Kam San defendeu ontem, numa intervenção antes da ordem do dia, a necessidade de criar novos projectos para que haja um novo concurso à habitação económica em 2018.

O também pró-democrata recordou o plano do governo de abrir um novo concurso à habitação social no último trimestre deste ano, mas considerou que “o principal problema” está na habitação económica, onde não há concurso público desde Março de 2014, quando mais de 42 mil pessoas apresentaram uma candidatura para a compra de apenas 1.900 fracções de habitação económica disponibilizadas:

“Os mais de 40 mil agregados familiares candidatos que não conseguiram casa naquele concurso [de Março de 2014] já esperam ansiosamente por um novo concurso”, afirmou.

Au Kam San observou que a lei sobre habitação económica não prevê candidaturas periódicas, mas que “o governo não pode ignorar a diferença entre a oferta e a procura”.

Entre várias sugestões, o também deputado Si Ka Lon propôs a criação de um programa de apoio à compra do primeiro imóvel ou de um fundo de aquisição de habitação, com parte dos saldos financeiros ou uma certa percentagem das receitas brutas do jogo, a ser definida por ocasião das novas concessões do jogo.

Também defendeu a necessidade de acelerar os trabalhos de revisão das leis que regulam as habitações sociais e económicas e de criar, o mais breve possível, “um mecanismo permanente de candidatura à habitação pública, levando a cabo o objectivo de um ano para aceder à habitação social e de três anos para a habitação económica”.

“E atendendo à pressão da ‘camada sanduíche’ no respeitante à habitação, definir, uma certa percentagem de habitações públicas destinadas aos jovens”.

Si Ka Lon pediu a “criação de um sistema de reserva de terrenos para habitações públicas”, delineado um plano para a sua construção, e “uma calendarização para a respectiva distribuição aos residentes”.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s