Tóquio quer reduzir taxa de suicídio em 30 por cento

As autoridades japonesas querem reduzir até 2025 a taxa de suicídios no país. No ano passado, registaram no Japão quase 22 mil suicídios. O objectivo do Governo nipónico passa por tentar em 30 por cento o número de casos.

1.Japão suicidio.jpg

O Governo japonês aprovou esta terça-feira um conjunto de medidas para tentar reduzir entre as nações mais industrializadas do mundo (G7).

Num documento intitulado “Disposições gerais contra o suicídio”, as autoridades referem que apesar da tendência de diminuição do número de suicídios nos últimos anos, são necessários esforços suplementares no campo da prevenção.

De acordo com um relatório concluído em Abril por uma comissão independente, a taxa de suicídios japonesa “continua a ser a mais elevada entre os sete países mais industrializados” do mundo [Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Canadá, Itália e Japão].

Durante muito tempo, o Japão registou mais de 30 mil suicídios por ano, numa população de 127 milhões de habitantes. No ano passado, o número de suicídios diminuiu para 21.897 casos, mostrando uma tendência de recuo desde 2010. Em 2015, a taxa de suicídios por 100 mil habitantes era de 18,5 contra 24,2 dez anos antes no Japão.

Em França, a taxa de suicídios era de 15,1, nos Estados Unidos 13,4, no Reino Unido 7,5, em Itália 7,2, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O objetivo do Governo japonês é reduzir esta taxa para 13 ou menos (por cada 100 mil habitantes) até 2025, ou seja, uma descida de 30 por cento comparativamente a 2015.

Uma das principais dificuldades é diminuir os suicídios entre jovens de 20 anos, através de uma melhor prevenção nos estabelecimentos escolares e da detecção de sinais de sofrimento nas redes sociais, reforçando ao mesmo tempo a qualidade das relações humanas, indicaram os peritos da comissão.

Os especialistas sublinharam a necessidade de melhorar o ambiente laboral, sobretudo em relação aos jovens empregados: os recentes suicídios de uma funcionária da agência de publicidade Dentsu ou ainda do jovem operário do estaleiro de construção do estádio olímpico para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020, são ilustrativos deste problema.

A luta contra o assédio hierárquico é também referida como uma das medidas necessárias.

De acordo com o relatório, é necessária uma mobilização de proximidade para um maior acompanhamento de pessoas fragilizadas como jovens mães ou idosos.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s