Sete macaenses na corrida por um lugar no hemiciclo

Pelo menos sete luso-descendentes integram as 25 listas que vão a votos pelo sufrágio directo nas eleições legislativas de Macau, em Setembro, de acordo com as listas ontem afixadas.

Na semana passada, a Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL) tinha dado conta de irregularidades em quatro listas, mas todos os problemas foram ultrapassados, indicou a CAEAL.

Dos sete luso-descendentes candidatos a deputado, apenas José Pereira Coutinho é “cabeça de lista”. Deputado desde 2005, Pereira Coutinho – que também foi candidato à Assembleia da República em 2015 – volta a apresentar-se pela associação “Nova Esperança”, para renovar o seu assento no hemiciclo de Macau a 17 de Setembro.

A “Nova Esperança” apresenta mais dois luso-descendentes: Gilberto Camacho, em quarto lugar, e Lídia Lourenço, em oitavo.

Jorge Neto Valente, filho do presidente da Associação dos Advogados, com o mesmo nome, ocupa o terceiro lugar na lista “Aliança Pr’a Mudança”, liderada pela deputada Melinda Chan.

A lista “Poderes do Pensamento Político” conta com António da Conceição Oliveira Lopes como “número dois”, e a “União para o Desenvolvimento de Macau”, liderada por Angela Leong, deputada e administradora-delegada da Sociedade de Jogos de Macau, conta com Armando Amante em número oito.

José Pedro Sales ocupa o terceiro lugar da lista “Nova Ideais de Macau”, liderada por Carl Ching e que está a ser investigada por suspeitas de fraude através de falsificação de assinaturas durante a recolha para a constituição de comissões de candidatura. Todos os luso-descendentes fazem parte das 25 listas do sufrágio universal, num total de 193 candidatos. Seis listas apresentam-se ao sufrágio indirecto.

A lista da académica Agnes Lam (“Observatório Cívico”), que no passado contou com dois candidatos lusófonos – o arquitecto Rui Leão, natural de São Tomé e Príncipe, e o jornalista português Carlos Morais José (que acabou por posteriormente abrir mão da candidatura) – não tem este ano nenhum.

De acordo com as listas ontem afixadas, o campo pró-democrata está dividido em três listas, duas lideradas pelos deputados veteranos Ng Kuok Cheong (“Associação de Próspero Macau Democrático”) e Au Kam San (“Associação de Novo Movimento Democrático”) e uma pelo dirigente da maior associação pró-democracia da cidade, a Novo Macau, Sulu Sou (“Associação do Novo Progresso de Macau”), que conta com o ex-deputado Chan Wai Chi como “número dois”.

Entre as caras novas está Arnaldo Ho, filho do magnata Stanley Ho e de Angela Leong e que é número três da lista da mãe, “União para o Desenvolvimento de Macau”. Outra novidade é a lista “União dos Prominentes-Compradores do Pearl Horizon para Defesa dos Direitos”, liderada por Kou Meng Pok, criada especificamente para lidar com o caso do projecto imobiliário cujo terreno foi recuperado pelo Governo por não ter sido concluído dentro do prazo, depois de fraccções terem sido adquiridas.

Apenas 53 mulheres, menos de um terço do total, são candidatas às eleições de 17 de Setembro.

Há cinco deputados que abandonam o hemiciclo, de acordo com as listas afixadas. Uma das saídas é a de Chan Meng Kam, que em 2013 foi o mais votado pela população, elegendo três deputados, algo raro na Assembleia de Macau. Os colegas de bancada Song Pek Kei e Si Ka Lon lideram agora uma lista cada um.

A veterana dirigente dos operários Kwan Tsui Hang deixa também o hemiciclo, com a colega Ella Lei a liderar a lista.

O macaense Leonel Alves, deputado há 33 anos, é outras das ausências. O advogado de 60 anos mantém-se como membro do Conselho Executivo, com mandato até 2019. Leonel Alves é, até Setembro, deputado pela via indirecta.

Também não se recandidatam os deputados indirectos Cheang Chi Keong e Lam Heong Sang, vice-presidente da Assembleia.

Os deputados nomeados pelo chefe do Executivo Vong Hin Fai e Lau Veng Seng são candidatos ao sufrágio indirecto onde, ao contrário de anos anteriores, haverá disputa, já que há 15 candidatos para 12 lugares.

A Assembleia Legislativa é constituída por 33 deputados, 14 dos quais eleitos directamente pela população, 12 por sufrágio indirecto (através das associações) e sete nomeados pelo chefe do Executivo.

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s