Combatentes islâmicos que tomaram Marawi prontos para lutar até à morte

Al Haj Murad Ebrahim, líder do grupo rebelde Frente Moro de Libertação Islâmica, recusou-se a negociar a retirada dos combatentes do Estado Islâmico que lutam na cidade de Marawi. O dirigente assegurou, em entrevista à Associated Press, que os insurgentes estão dispostos a lutar até morrer.

 

0.Mindanao

O líder do grupo rebelde Frente Moro de Libertação Islâmica anunciou anteontem que se recusou negociar a retirada do grupo extremista Estado Islâmico (EI) da cidade de Marawi, no sul das Filipinas, onde decorre uma ofensiva militar.

Al Haj Murad Ebrahim, da Frente Moro de Libertação Islâmica (FMLI), lembrou que a intervenção teria sido difícil porque o Presidente filipino, Rodrigo Duterte, declarou que o Governo não negociava com terroristas.

Em entrevista à agência noticiosa Associated Press (AP), na terça-feira à noite, Murad disse que os últimos dois meses em Marawi são o pior do que já viu em mais de quatro décadas como rebelde no sul do país. Os rebeldes em Marawi disseram através de emissários religiosos que estão prontos para lutar até a morte.

O ataque à cidade de Marawi, no estado de Mindanao, no sul do arquipélago filipino, a 23 de Maio, é uma das primeiras acções rebeldes de larga escala e levou à instauração da lei marcial na região. Pelo menos meio milhar de pessoas morreram nos confrontos. O sul do país é considerado por cinco milhões de muçulmanos filipinos (entre 100 milhões de habitantes) como a sua terra ancestral.

A rebelião começou na década de 1970 e causou cerca de 150 mil mortes, tornando-se uma das mais longas e mortais do continente asiático.

Na segunda-feira, o Presidente filipino, Rodrigo Duterte, prometeu mais autonomia para a minoria muçulmana no sul do país, numa tentativa de isolar os rebeldes islâmicos que controlam Marawi.

Duterte comprometeu-se a submeter ao parlamento o projecto de lei fundamental, apelidado de Bangsamoro e que visa a criação de uma região autónoma, redigido em conjunto por responsáveis do Governo e da Frente Moro.

O primeiro projecto foi assinado em 2014 pelo antigo Presidente filipino Benigno Aquino, mas o parlamento recusou aprovar o documento.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s