Vida e legado de Rui Afonso evocados no Consulado  

 

Faleceu em 17 de Março e foi uma das figuras mais marcantes do território no período imediatamente antes e depois do regresso de Macau à administração chinesa. A vida e a carreira de Rui Afonso foram ontem evocadas por amigos e colegas profissões que partilharam memórias e relembraram o legado do advogado e antigo deputado à Assembleia Legislativa.

1.rui-afonso

Rui Afonso, advogado e antigo deputado à Assembleia Legislativa, foi ontem relembrado numa sessão em que foi evocada a sua carreira e a influência que exerceu na vida política de Macau. O causídico, falecido em Lisboa em Março último, foi homenageado pelo colega de profissão Sérgio Almeida Correia, pela antiga presidente da Assembleia Legislativa Anabela Ritchie, pelo presidente do Instituto Politécnico de Macau Lei Heong Iok e pelo presidente da Associação dos Advogados, Jorge Neto Valente. A cerimónia, que teve lugar no Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong perante casa cheia, arrancou com um discurso do cônsul-geral de Portugal, Vítor Sereno.

“Um grande amigo e um irmão português” é como Lei Heong Iok recorda o advogado com quem manteve uma relação de amizade ao longe de mais de três décadas. A ligação entre ambos remonta a 1985, altura em que o actual presidente do Instituto Politécnico de Macau desempenhava funções como intérprete-tradutor de português-chinês nas negociações que abriram portas ao regresso de Macau à soberania chinesa: “Eu fui nomeado oficial de ligação no grupo de terras e quando comecei a encontrar muitos problemas linguísticos e noutras áreas, como concessões de terras, eu costumava ir ter com ele [Rui Afonso] que me ajudou, que me tirou dúvidas”, recorda.  “Era uma boa fonte entre as comunidades chinesa e portuguesa. Ele contribuiu para a resolução do chamado problema de Macau e fez todos os possíveis para assegurar que a transição fosse suave e sem sobressaltos” acrescentou ainda Lei Heong Iok.

Anabela Ritchie tem Rui Afonso como “uma referência de que se dedicou ao serviço público com toda a força que podia”. A antiga presidente da Assembleia Legislativa recordou os 12 anos que antecederam a transferência da administração de Macau entre Portugal e a República Popular da China: “Foi um período que não foi fácil, com todas as tarefas inerentes àquele período que era preciso fazer numa altura em que a Assembleia era chamada a exercer o papel que lhe cabia”, explica. “[Rui Afonso] percebeu sempre que Macau precisava de se modernizar do ponto de vista legislativo se quisesse procurar a senda do progresso e desenvolvimento. Havia muita coisa para fazer, havia muita legislação que era preciso actualizar e esse trabalho nunca é feito completamente”, complementa Ritchie. “Trabalhou muito. Era incansável, estava sempre presente, assíduo e não faltava. Um exemplo que era uma referência, para os deputados e não só”, conclui a antiga presidente do hemiciclo.

Por sua vez, o cônsul-geral considerou a iniciativa de ontem como a “expressão de um tributo de Portugal e da comunidade portuguesa ao senhor doutor Rui Afonso”: “Tenho particular apreço e admiração por estas pessoas invulgares que unem o saber ao saber fazer e ao saber estar. Creio que, para além desse apreço, nos devemos também sentir honrados pelo facto de, como portugueses, como país e como comunidade portuguesa em Macau, podermos ter contacto com os seus contributos, com a sua intervenção e com o seu legado” disse Vítor Sereno.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s