“This is My City” quer criar redes para reforçar papel de Macau no delta do Rio das Pérolas

1.Imaginarius

Manuel Correia da Silva – um dos fundadores do festival criativo This is My City – vai estar em Portugal nos próximos dias a promover o potencial do delta do Rio das Pérolas. O criativo acredita que Macau e o festival podem ter um papel relevante no intercâmbio entre eventos culturais que se organizam nas cidades do delta, na Europa e no mundo. Em Portugal, o criativo quer enriquecer a rede de contactos com a sua participação em dois eventos: MIL – Lisbon International Music Network e Fresh Street#2, integrado no Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira.

 

Cláudia Aranda

Claudia.aranda.pontofinal@gmail.com

 

Manuel Correia da Silva, um dos fundadores do festival criativo “This is My City” (TIMC853), lançado em 2006 pela Associação Cultural +853, partiu ontem para Portugal para participar em dois eventos de alcance europeu com o objectivo de alargar a rede de parcerias da iniciativa organizada no território. O designer e criativo deseja promover as potencialidades do delta do Rio das Pérolas em Portugal, na Europa e mais além. O criativo acredita que Macau e o festival “This is My City” podem ter um papel relevante na ligação entre diversas regiões.

Em Portugal, o designer e criativo vai ser orador em duas conferências: uma no MIL – Lisbon International Music Network, que se realiza dias 1 e 2 de Junho, e outra num seminário internacional dedicado a debater o desenvolvimento das artes de rua, promovido pela Fresh Street#2 da Circostrada Network. O evento integra-se no Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira. Na sua 17.ª edição, o certame decorre entre 24 e 26 de Maio.

“Ambos os convites para estes eventos são fruto do trabalho que o “This is My City” tem feito ao longo de 10 anos”, com o objectivo de “criar uma rede da qual nós, festival, e a própria cidade de Macau devemos fazer parte”, disse Manuel Correia da Silva ao PONTO FINAL antes de partir para Portugal.

A programação do MIL – Lisbon International Music Network – que é um festival e convenção internacional destinados a promover a música lusófona a nível internacional – inclui 12 conferências e mais de 50 concertos. Neste evento, Manuel Correia da Silva intervém na secção dedicada às perspectivas do Mercado Lusófono em 2030: “Vou falar de Macau e, também, da China, em concreto, do potencial do delta do Rio das Pérolas. Acreditamos que o festival “This is My City” adequa-se a este papel e a esta ideia de estabelecimento de uma ‘network’, sendo que, estando em Macau, nesta parte do mundo, a nossa ‘network’ não pode ser feita de apenas lusofonia – que é importante – mas, o nosso objectivo é potencializar o facto de estarmos no delta do Rio das Pérolas. Macau e nós, festival This is My City, podemos ter um papel nessa ligação”, sublinha o criativo.

Manuel Correia da Silva acrescenta que o objectivo é alargar os contactos desde a Europa a cidades como Macau, Hong Kong, mas também, Zhuhai e Shenzhen, urbes que são “pontos chave”, nesta rede de festivais de música e de artes de rua: “Basta olhar para a programação de festivais nestas cidades, bastante farta, com uma agenda muito completa”, diz o criativo, dando como exemplo o festival de música do mundo e de jazz de Beishan, em Zhuhai, e o interesse que existe da parte da direcção deste evento em “trazer projectos em língua portuguesa”.

Outro exemplo citado por Correia da Silva é o Tomorrow Festival, um evento anual em Shenzhen, dedicado à música experimental, rock e free-jazz: “O potencial económico é enorme, Hong Kong e Shenzhen são um enorme mercado em expansão”,  sublinha Manuel Correia da Silva, acrescentando que com a melhoria do sistema de transportes de ligação entre as metrópoles do delta do Rio das Pérolas, “é muito mais rápido saltar de cidade em cidade. Vamos começar a mover-nos muito mais entre culturas, temos que tirar proveito disso com a rede que estamos a criar”. O criativo prossegue, frisando que o festival “This is My City”, ao fim de 10 anos, entrou na fase da maturidade: “Está na hora de sair de casa”, disse. E, Macau, ao fim de 17 anos, “também precisa de sair da bolha e de se internacionalizar, diria até de se regionalizar, e nós “This is My City”, podemos contribuir para isso”, remata.

Na sua segunda edição, o Fresh Street#2 pretende reflectir sobre o estado das artes, espectáculos, performances e festivais de rua, reunindo oradores de diferentes continentes, com o objectivo de encontrar soluções – em termos práticos e legislativos –  para o aumento de reconhecimento do sector em Portugal, na Europa e no mundo. Manuel Coreia da Silva intervém na secção Além Mar – Artes de Rua para lá da Europa, na qual se incluem ainda oradores de Portugal, Brasil, Israel e Cabo Verde. Há também participantes dos Estados Unidos da América, Egipto, Coreia do Sul, além de diversos países europeus.

 

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s