Escola de Macau colabora com universidade inglesa no estudo da demência

 

showImage.jpg

O Instituto de Enfermagem Kiang Wu assinou um acordo com a Universidade de Plymouth tendo em vista a realização de trabalhos de investigação conjunta no âmbito da definição das causas da demência no Reino Unido e na República Popular da China. As duas organizações têm já agendados uma série de projectos, incluindo a exploração de como o tratamento tecnologicamente assistido da demência pode ajudar Macau na sua cruzada contra patologias de natureza neurológica que se manifestam por uma redução progressiva das capacidades cognitivas.

No âmbito dessa colaboração, existem planos para a realização de uma conferência sobre demência no território, possivelmente no próximo ano, e um projecto de formação também na RAEM, envolvendo enfermeiros e médicos, para a partilha de conhecimentos. Um esquema bilateral de Professor Visitante será estabelecido, bem como novas oportunidades de intercâmbio de estudantes, revelou a Universidade de Plymouth, num comunicado de imprensa publicado na sua página na Internet.

Macau poderá assim aproveitar o trabalho pioneiro a nível mundial da Universidade de Plymouth, nomeadamente o que diz respeito ao estudo da demência em ambiente rural e estabelecer projectos de combate à demência nas zonas rurais da República Popular da China: “Esta será uma colaboração verdadeiramente entusiasmante e com enorme potencial para nós aqui em Plymouth e para os nossos colegas em Macau”, considera Bridie Kent, directora da Faculdade de Enfermagem e Obstetrícia da universidade inglesa. “A demência é um problema crescente na China e existe uma grande vontade em aprender com a nossa experiência no Reino Unido. Esperamos desenvolver esta nova parceria ao longo dos próximos anos”, acrescenta.

Em termos de investigação futura, projectos em regime de colaboração serão levados a cabo, tendo como ponto de partida o trabalho pioneiro desenvolvido pela Universidade de Plymouth. O organismo concebeu uma iniciativa pioneira para melhorar a experiência em aeroportos e linhas aéreas para pessoas com deficiências ocultas, estudo que serviu para criar uma série de normas já adoptadas obrigatoriamente pelos aeroportos britânicos e pela Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s