Pandas bebés deram as boas vindas ao Ano do Galo

 

Macau familiarizou-se, no final da semana passada, com as suas mais recentes – e mais amorosas – atracções. O par de pandas bebés nascidos no Verão passado vai permanecer exposto ao público durante duas horas por dia até 12 de Fevereiro. Depois disso, Jian Jian e Kang Kang só deverão poder ser vistos aos domingos.

1.Inês S. Gonçalves.jpg

Ano novo, estrelas novas. Os dois pandas gémeos bebés de Macau estiveram durante o período do Ano Novo Lunar expostos ao público e crescem a olhos vistos: pesam 12 e 13 quilos, correm e trepam por todo o lado e já vão comendo algum bambu.

Com sete meses, Jian Jian e Kang Kang – que estiveram até ao fim-de-semana passado resguardados numa ‘creche’ no Pavilhão do Panda Gigante – passaram a estar expostos ao público, juntamente com os pais, ainda que apenas durante duas horas por dia e até ao dia 12 de Fevereiro. Depois disso, devem passar a estar na zona pública do pavilhão apenas aos domingos.

A presença dos gémeos surge assim como uma prenda de Ano Novo chinês para residentes e turistas, que podem assistir às tropelias das crias de um dos animais mais bajulados da China.

Durante as duas horas diárias em que estiveram – e vão permanecer – no recinto, os bebés estiveram sempre acompanhados de tratadores, que garantem que as crias não se magoam. De facto, durante os dias em que estiveram expostos Jian Jian e Kang Kang tentaram trepar os adereços do recinto – repleto de troncos e vegetação –, e rebolaram e tropeçaram com frequência. Especialmente para eles foi colocado no Pavilhão dos Pandas Gigantes um cavalinho de madeira e um barco, que oscilam e onde se podem sentar.

“Trato deles todos os dias, cada momento é muito especial”, contou a tratadora Sok I Chao, explicando que é possível distinguir os dois irmãos porque as orelhas de Jian Jian, o irmão maior, “ficam para cima” e as de Kang Kang “ficam mais para baixo”.

Jian Jian “tem um caráter mais animado e tem mais curiosidade”, Kang Kang “é mais tímido e mais mimoso”. Quando nasceram, Jian Jian pesava 135 gramas (peso normal, já que o médio é 100 gramas), mas Kang Kang tinha apenas 53,8 gramas, sendo considerado “ultraleve”. O pequeno panda foi, de resto, o segundo mais pequeno de sempre a sobreviver.

Apesar da diferença de peso à nascença, hoje apenas os separa um quilo: o maior pesa 13 quilos e o mais pequeno 12. Os dois são ainda alimentados com leite em pó, “mas os criadores também já lhes dão algum bambu” apesar de ser uma “quantidade muito pequena”, contou o veterinário Huang Wenjun, que faz parte da equipa de três especialistas que vieram da Base de Pesquisa de Reprodução do Panda Gigante de Chengdu da província chinesa de Sichuan.

Além destes três profissionais, oito funcionários do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais de Macau cuidam dos gémeos e dos pais 24 horas por dia: “Sinto como se fosse mãe deles porque trato deles todos os dias. É um sentimento do fundo do coração, quero proteger esta espécie, que é muito especial”, disse Sok I Chao.

O sentimento é partilhado por Huang Wenjun: “Sinto como se fosse pai. Quando volto ao serviço (depois das folgas) vejo os bebés e quero logo abraçá-los e beijá-los”, conta.

No primeiro dia de exposição ao público, na véspera do Ano Novo chinês, não foram muitas as pessoas que acorreram para ver as crias, e parte dos que ali estavam não sabiam da presença dos mais pequenos.

Noel e Emily vieram de Hong Kong passear com as filhas – duas meninas de sete e cinco anos – e foi com surpresa que viram Jian Jian e Kang Kang. “Da última vez que viemos só vimos os pais”, explicou Noel, enquanto as crianças saltitavam de entusiasmo e diziam que gostavam muito de animais.

Também turista, Ivana, da Sérvia, tinha chegado na véspera a Macau e veio ao Pavilhão do Panda Gigante por curiosidade, mas não sabia que havia crias. “São tão queridos, parecem felizes. Já os adultos parecem aborrecidos”, comentou.

Já Averil (Irlanda) e Peter (Inglaterra) deslocaram-se ao parque de propósito para conhecer os seus inquilinos mais novos. O casal trabalhou durante três anos e meio na Universidade de Macau, tendo regressado à  Europa na segunda-feira: “Sabíamos [que iam cá estar] porque viemos há uns dias para ver os grandes, perguntámos pelos bebés e disseram-nos que iam cá estar hoje. São lindos, muito energéticos”, disse Averil.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s