O feitiço e o feiticeiro. Órgão anti-corrupção inicia depuração interna

 

Os mais de 500 mil inspectores da Comissão Central para a Inspecção de Disciplina do Partido Comunista vão ser submetidos a medidas de supervisão mais duras. Dois dos membros do organismo foram, de resto, afastados no domingo, acusados de violações de natureza disciplinar.

1-corruption

A Comissão Central para a Inspecção de Disciplina do Partido Comunista – o orgão anti-corrupção da República Popular da China – iniciou uma depuração interna após mais de três anos de campanha em que puniu responsáveis governamentais, militares e empresários.

De acordo com a imprensa oficial chinesa, os mais de 500 mil investigadores de casos de corrupção do país vão ser submetidos, a partir de agora, a medidas de supervisão mais duras, com a aprovação, no domingo, de uma nova normativa sobre a sua actividade.

Esta regulação foi adoptada no encerramento de um encontro da Comissão em que também foi decidido afastar dois dos seus membros, Wang Zhongtian e Li Jianbo, acusados de “violações disciplinares”, expressão usada pelas autoridades para se referirem aos casos de corrupção.

Wang foi assistente de outro alto cargo comunista caído em desgraça por corrupção, o já condenado a prisão perpétua Ling Jihua – braço direito do antigo Presidente Hu Jintao – e, perante suspeitas de má conduta, foi retirado de todos os seus cargos no Partido Comunista, durante o fim-de-semana.

Li, por seu lado, foi obrigado a renunciar à sua posição na Comissão Central para a Inspecção de Disciplina.

As novas normas não foram publicadas, mas a imprensa oficial avançou que regulam de forma mais apertada a investigação dos casos, incentivando as gravações dos interrogatórios e evitando interferências externas, e a gestão do dinheiro recuperado.

Foi também proposto o estabelecimento de uma nova comissão nacional de supervisão, que integre o trabalho das diferentes agências governamentais que na actualidade investigam os casos de corrupção, e a criação de uma lei específica sobre a matéria:“A confiança não pode substituir a supervisão”, afirmou, em comunicado, o órgão anti-corrupção, hoje citado pelo diário oficial China Daily.

O Presidente chinês, Xi Jinping, também secretário-geral do Partido Comunista, participou na sexta-feira na abertura do encontro da comissão e fez um balanço da campanha anti-corrupção, iniciada desde a sua subida ao poder há quase quatro anos: “O objectivo de assegurar que os funcionários não se atrevem a ser corruptos foi basicamente cumprido”, disse Xi, sublinhando que as práticas corruptas “foram efectivamente contidas”, considerou o Chefe de Estado chinês.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s