Pequim estabelece laços diplomáticos com São Tomé e Príncipe

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, e um representante do governo são tomense assinaram na segunda-feira, em Pequim, o acordo que formalizou o restabelecimento de relações diplomáticas ao fim de quase duas décadas de afastamento. O Governo de São Tomé anunciou a 20 de Dezembro o corte de relações com a Formosa. Taiwan passa a ser reconhecida formalmente apenas por 21 Estados.

1-stp-china

A República Popular da China estabeleceu na segunda-feira laços diplomáticos com São Tomé e Príncipe, depois de o país ter cortado relações diplomáticas com Taiwan, segundo avança a agência estatal Xinhua.

Representantes dos dois países, incluindo o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, assinaram documentos numa cerimónia junto das duas bandeiras em Pequim, de acordo com uma descrição da Associated Press.

A agência norte-americana descreve o acontecimento como uma vitória para Pequim, que considera Taiwan parte do seu território. A ilha só é reconhecida formalmente por 21 Estados, já que fazê-lo impede as relações com a República Popular da China.

No dia 20, o governo são-tomense anunciou o corte com Taiwan após reunião do Conselho de Ministros, indicando que a decisão assenta no reconhecimento do princípio da existência de uma só China.

“O governo da República Democrática de São Tomé e Príncipe, após consulta com o chefe do Estado (Evaristo de Carvalho), decidiu cortar formalmente as relações diplomáticas estabelecidas com Taiwan”, lia-se no documento.

“Neste sentido, o Conselho de Ministros orientou o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades para, pelos canais oficiais, tomar imediatamente todas as disposições adequadas”, acrescentou.

No comunicado de oito parágrafos, o governo referiu a “conjuntura internacional actual e da sua perspectiva de evolução e tendo em conta a agenda de transformação do país e os objectivos de desenvolvimento do milénio” como um dos motivos da ruptura com Taiwan.

O Executivo do primeiro-ministro Patrice Trovoada sublinhou, por outro lado, que a evolução da conjuntura interna e a política económica do seu governo “impõem a defesa dos interesses genuínos de São Tomé e Príncipe e do seu povo”, apesar de “não abdicar dos valores cardinais da sua política externa e o reforço da sua adesão ao princípio da não-ingerência nos assuntos internos de outros estados”.

“As tensões prevalecentes no plano internacional, a multipolarização dos centros de decisão, bem como a defesa cada vez mais aguerrida dos interesses nacionalistas por parte dos principais actores da cena internacional em detrimento do multilateralismo, opção de longe mais favorável a expressão dos pequenos estados”, foi igualmente justificado pelo governo são-tomense para o corte de relações com Taiwan.

No dia 21, o Governo chinês considerou “natural” a decisão de São Tomé e Príncipe de cortar relações diplomáticas com Taiwan e reconhecer a República Popular da China, realçando que o país africano fez a “escolha certa”: “É natural. Quando reconheces e decides finalmente que é a altura de fazer a escolha certa, esse é o momento”, disse à agência Lusa a porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying.

Apesar de o país africano ter suspendido as relações com Pequim em 1997, reconhecendo Taiwan, o presidente Manuel Pinto da Costa visitou a China em duas ocasiões pelo menos.

“A China agradece e dá as boas-vindas ao regresso de São Tomé e Príncipe ao lado certo do princípio ‘Uma só China'”, disse Hua Chunying.

“O princípio ‘Uma só China’ [visto por Pequim como garantia de que Taiwan é parte do seu território] é o pré-requisito e base política para a China manter e desenvolver relações amigáveis e de cooperação com outros países”, acrescentou.

Pequim considera Taiwan uma província chinesa e defende a “reunificação pacífica”, mas ameaça “usar a força” caso a ilha declare independência.

Já Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo governo chinês depois de o Partido Comunista (PCC) tomar o poder no Continente, em 1949, assume-se como República da China.

Pequim e Taipé afirmam que existe uma só China.

Quando São Tomé decidiu reconhecer Taiwan, a ilha era um dos quatro “tigres asiáticos”, ao lado da Coreia do Sul, Hong Kong e Singapura. Apoiada numa pujante economia, Taiwan investia muito dinheiro na expansão do seu espaço político internacional.

Entretanto, a República Popular da China tornou-se a segunda maior economia mundial, com as maiores reservas cambiais do planeta, no valor de 3,44 biliões de dólares.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s