Dança e vídeo num festival que congrega produção fílmica global

O ROLLOUT Dance Film Festival estreia-se esta sexta-feira, às 19h30, na Cinemateca Paixão. O festival tem por mote películas que se debruçam sobre o universo da dança, e conta com a parceria de iniciativas congéneres de Hong Kong e do Brasil.

1.Dance.jpg

Sílvia Gonçalves

Do encontro entre a dança e o vídeo nasce um festival que se apresenta à cidade entre sexta-feira e domingo. Entre as três secções do ROLLOUT Dance Film Festival está o Campaign Screening, com a projecção de 60 filmes seleccionados a partir de um processo em que participaram 35 países e regiões. Já o World Selection concentra 18 curtas-metragens que integraram cartazes de festivais também eles centrados no universo da dança, organizados em Hong Kong e no Brasil. O festival arranca esta sexta-feira, às 19h30, na Cinemateca Paixão, com a projecção de “Mr. Gaga”, um documentário assinado por Tomer Heymann, numa co-produção entre Israel e a Suécia. No mesmo dia são apresentados os filmes “wAnderland”, de Chloe Lao, e “KO”, de Mary Wong, ambos produzidos no âmbito do projecto “Dance X City X Frame”, apoiado pelo Instituto Cultural.

“Nos últimos anos descobrimos que muitos realizadores e bailarinos em Macau têm muitos vídeos gravados de diferentes performances. E depois de alguns anos de ligação com alguns dos parceiros do programa deste festival – como o Jumping Frames International Dance Video Festival e também o Festival de Vídeo e Dança, do Brasil – descobrimos que havia a possibilidade de Macau ter o seu próprio festival de vídeo de dança. Não só recolhendo todos os filmes de Macau mas também tendo esta oportunidade de permitir que filmes de todo o mundo sejam mostrados no território, para que os artistas locais possam ver o que está a acontecer na filmografia de dança por todo o mundo num só festival”, conta Chloe Lao, uma das três curadoras do ROLLOUT, a par com Mary Wong e Erik Kuong.

A coreógrafa explica que o certame nasce de uma intenção de recolha da produção fílmica de Macau no âmbito da dança, mas também da criação de uma plataforma de projecção de vídeos produzidos um pouco por todo o mundo, que propiciem um contacto estreito entre criadores: “Quisemos criar esta plataforma para permitir aos artistas locais, principalmente os nossos realizadores e bailarinos, que estejam ligados aos realizadores e bailarinos a um nível global. E também permitir às audiências conhecer mais possibilidades sobre a dança, não só no âmbito da performance mas também na tela, e num outro género”.

O festival nasce da vontade conjunta de três associações de Macau, uma delas já enraizada na comunidade da dança local: “O festival é organizado por três associações que se juntaram, a Ieng Chi Dance Association, a Concept Pulse Studio e a Point View Art Association. Todas são locais. A primeira é uma associação já com 18 anos, criada em 1998. A Concept Pulse Studio tem cerca de dois anos. E a última tem a curadoria do Erik Kuong, fazendo mais ligações internacionais a festivais”, enquadra a coreógrafa, que é também directora executiva da Ieng Chi Dance Association.

Do ‘open call’ que decorreu entre Setembro e 1 de Novembro, resultou a selecção de 60 filmes de 35 países e regiões. Entre eles estão seis produções de Macau, que serão exibidas no Sábado, na secção “Campaign Screening”, entre as 14h30 e as 21h15, no iCentre, e que estão sujeitos à votação do público. Os vencedores serão anunciados no domingo.

O cartaz integra ainda a projecção de três documentários. Depois de “Mr. Gaga” – que abre o festival – é exibida a produção alemã “When I Dance”, de Daniela Lucato, às 12 horas, também no iCentre. no NAPE. “Boy Story”, de Maurice Lai, chega de Hong Kong, e será projectado no mesmo dia no T Theatre, às 17h30.

Também no domingo, e no iCentre, a secção World Selection apresenta, com início às 14h30, um conjunto de 18 filmes, seleccionados dos festivais Jumping Frames International Dance Video Festival, de Hong Kong, e do VIDE-O Festival de Vídeo e Dança, do Brasil. No mesmo dia serão entregues os prémios aos vencedores da secção “Campaign Screening”.

Para além de Chloe Lao, Mary Wong e Erik Koung, o festival ROLLOUT conta ainda com dois curadores convidados. Raymond Wong, do festival Jumping Frames International Dance Video Festival, e Alberto Magno Santos, curador do brasileiro VIDE-O Festival de Vídeo e Dança estarão em Macau para darem o seu contributo à edição inaugural do evento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s