Organização do Grande Prémio de Macau em despique com TCR

 

De fora dos comunicados oficiais sobre a Corrida da Guia ficaram quaisquer menções ao campeonato da TCR, que se decidiu em Macau. Os responsáveis pela organização foram informados de que os gráficos da cobertura televisiva não deveriam conter referências à classificação da TCR International Series.

1-corridaguia

Muito se tem falado sobre o possível regresso do Campeonato Mundial de Carros de Turismo (WTCC) ao Circuito da Guia no âmbito da principal prova de turismos do Grande Prémio de Macau. O regresso poderá materializar-se já no próximo ano, até porque o diferendo entre a Comissão Organizadora e a entidades responsável pela dinamização da TCR International Series conheceu no fim-de-semana novos episódios. A disputa que eclodiu entre a organização do evento e a TCR International Series parece tornar o cenário do regresso do WTCC mais do que provável e apontar a porta da saída à entidade que tomou conta da célebre corrida durante os dois anos de ausência do Campeonato do Mundo de Carros de Turismo.
Durante o decorrer da última edição do Grande Prémio, que terminou no domingo, a organização optou por deixar de fora de todos os seus comunicados sobre a Corrida da Guia qualquer menção à TCR International Series, prova que se decidiu em Macau. Os cronometristas foram informados de que os gráficos da cobertura televisiva não deveriam conter referências à classificação da TCR International Series, de acordo com o site Autosport.
A atitude terá irritado ainda mais os patrões da TCR, que já tinham ficado desagradados com a abertura dos regulamentos da Corrida da Guia a carros de outras competições, nomeadamente do Campeonato Chinês de Carros de Turismo (CTCC). Mesmo competindo com carros de especificações semelhantes às da TCR – turbo de dois litros – as máquinas do CTCC, na prova deste ano, tiveram dificuldade para acompanhar o ritmo médio dos corredores em prova e os seus pilotos estiveram na origem de vários acidentes e atrasos: “Penso que ter diferentes regulamentos na mesma corrida é algo difícil de gerir”, alega Marcello Lotti, patrão da TCR. “Abrir a corrida a carros com diferentes configurações, em que o único ponto de semelhança é a cilindrada, é muito perigoso”, considera.

WTCC com um pé em Macau em 2017

Antes de ter vindo a público o diferendo televisivo, Lotti já tinha dito ao portal Autosport que ainda estava a ponderar a saída e que ainda tinha esperanças em que a poeira baixasse e a TCR pudesse voltar a Macau para o ano. Isto numa altura em que aumentavam os rumores acerca do regresso do WTCC à Corrida da Guia.
Sabe-se que os responsáveis pela organização do Campeonato do Mundo de Carros de Turismo estão inclinados a adoptar uma segunda classe adaptada aos regulamentos TCN2 da Federação Internacional do Automóvel (FIA), que são muito semelhantes aos da TCR e que são utilizados na Taça Europeia de Carros de Turismo: “Penso que podemos ter uma oportunidade para estar cá na próxima temporada com carros da TCR”, admite Lotti, adiantando no entanto que “pode ser que a corrida não seja uma ronda a contar para nenhum campeonato”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s