Violência na Birmânia terá destruído mais de 400 edifícios

 

11-06-2012rakhinestate

A Human Rights Watch (HRW) identificou 430 edifícios destruídos pela vaga de violência despoletada contra a minoria muçulmana rohingya no oeste da Birmânia, de acordo com imagens de satélite de alta resolução das áreas mais afectadas pelos confrontos.

“As novas imagens de satélite não só confirmam a extensa destruição de aldeias rohingya como confirmam que é ainda maior do que nós pensávamos”, disse ontem Brad Adams, director da HRW para a Ásia, em comunicado.

“As autoridades birmanesas deveriam estabelecer uma investigação assistida pela ONU como um primeiro passo para garantir a justiça e a segurança para as vítimas”, reiterou Adams.

Os edifícios destruídos, na sua maioria casas calcinadas em incêndios com mão criminosa, encontram-se no distrito de Maungdaw, no estado de Rakhine, segundo as imagens de satélite recolhidas entre 22 de Outubro e 10 de Novembro.

O exército birmanês declarou como “zona de operações” o norte de Rakhine, na fronteira com o Bangladesh e onde vive a maior parte desta minoria muçulmana, após o ataque de um grupo armado contra três postos da polícia fronteiriça a 9 de Outubro.

O ataque e posteriores distúrbios causaram pelo menos 40 mortos entre polícias, militares, atacantes e moradores e levaram ao destacamento do exército para a região.

Os activistas locais acusam os militares de cometerem execuções, violações e pilhagens contra a população rohingya.

Os rohingya são um assunto sensível na política birmanesa, condicionada por grupos radicais budistas que levaram o anterior Executivo a adoptar múltiplas medidas discriminatórias contra este grupo, incluindo a restrição de movimentos.

O Governo birmanês, liderado pela Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, criou em Agosto uma comissão liderada pelo ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, que vai realizar um relatório com recomendações para solucionar o conflito.

A também nobel da paz Aung San Suu Kyi tem sido acusada de não interceder a favor dos rohingya, uma perseguida minoria étnica a quem as autoridades birmanesas não reconhecem a cidadania.

Rakhine acolhe mais de um milhão de rohingyas. Cerca de 120.000 rohingyas vivem confinados em 67 campos naquele estado e sofrem todo o tipo de restrições desde o novo surto de violência sectária em 2012 entre esta minoria muçulmana e a maioria budista da região, que causou pelo menos 160 mortos.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s