Defesa da língua portuguesa marca arranque da sessão legislativa

Centraram-se na formação de quadros bilingues, algumas das intervenções dos deputados, ontem, na sessão inaugural do novo ano legislativo. Entre os parlamentares houve mesmo quem recorresse a estudos para assinalar a reduzida utilização da língua portuguesa em Macau, apelando ao Governo para que reforce os programas de ensino, nomeadamente fora das universidades.

20161017-093x

Sílvia Gonçalves

A actividade na Assembleia Legislativa (AL) foi ontem retomada, com as intervenções antes da ordem do dia a ficarem marcadas pela convicção, manifestada por vários deputados, de que deverá ser reforçada a formação de recursos humanos bilingues, para responder à afirmação de Macau enquanto plataforma entre a China e os países de língua portuguesa. Mak Soi Kun referiu um estudo que indica que menos de 10 por cento dos jovens de Macau falam português e defendeu que a falta de profissionais bilingues afectará o desenvolvimento da cooperação económica e comercial. Wong Kit Cheng salientou que a taxa de utilização da língua portuguesa não tem sido alta e instou o Executivo a promover políticas de desenvolvimento do seu ensino.

Chan Hong começou por lembrar que, na passagem por Macau, o primeiro-ministro Li Keqiang “manifestou que queria ver o aprofundamento do papel de Macau como plataforma,”, e que “ia apoiar  a criação da plataforma de serviços financeiros entre a China e os países lusófonos, do centro de intercâmbio cultural e da base para a formação de quadros bilingues”. Ainda que saliente a acção desenvolvida pelo Governo na formação de professores de língua portuguesa, entende a deputada que os resultados alcançados estão ainda longe de satisfazer as necessidades sociais.

“Por razões históricas, o ensino da língua portuguesa em Macau nunca foi generalizado, e após a transferência de soberania, essa língua tem sido cada vez menos utilizada pela população de Macau. De acordo com um estudo efectuado em 2014 pelo Centro de Estudos de Línguas e Cultura de Macau, a taxa de utilização da língua portuguesa varia entre 0,4 por cento e 0,9 por cento. Atendendo que se trata de uma das língua oficiais de Macau, deveria ser-lhe dada mais importância, contudo, não é essa a realidade”, assinalou a deputada.

Para Chan Hong são três as razões que o justificam: “Os residentes não conhecem bem a importância e o desenvolvimento que a língua portuguesa lhe poderia oferecer”, “o Governo da RAEM não tem um plano de médio e longo prazo para o ensino da língua portuguesa, pois a formação de bilingues tem estado, desde sempre, entregue às instituições de ensino superior”, e “o rigor na formação de bilingues não tem sido muito no ensino básico; e actualmente é grande a falta de docentes de português”.

A deputada instou o Governo a “proceder, quanto antes, ao planeamento a médio e longo prazo para o ensino da língua portuguesa, reforçar o investimento de recursos e estabelecer o sistema de formação ‘one-stop’ de talentos de língua portuguesa no Governo, em todas as escolas e nas associações cívicas”, bem como a “proceder à introdução adequada de docentes excelentes dos países de língua portuguesa para efeitos de formação nos diversos níveis de ensino”.

Mak Soi Kun defendeu que o bom desempenho enquanto plataforma exige um grande número de profissionais qualificados, “sobretudo profissionais bilingues nas áreas da tradução chinês-português, do Direito e dos sistemas contabilísticos dos países de língua portuguesa”. Também o deputado se socorreu de um estudo, realizado por uma associação, sobre o desenvolvimento e a competitividade dos jovens de Macau, segundo o qual “menos de 10 por cento deles sabem português”. Considera Mak Soi Kun que “com a extensão da cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, a falta de profissionais bilingues em Macau afectará inevitavelmente o desenvolvimento sustentável da plataforma de cooperação económica e comercial entre estes países”.

Ma Chi Seng, que considera que “a formação de bilingues é uma tarefa urgente”, apresentou em plenário sugestões para a criação de uma base de formação de talentos bilingues. Entende o deputado que o Governo deve “intensificar a cooperação entre as instituições de ensino superior locais e as dos países de língua portuguesa, aumentar as trocas de docentes, trabalhadores e diversos tipos de estudantes, e incentivar a gente de Macau a deslocar-se a esses países para aprendizagem, comércio intercâmbio e cooperação”. O deputado insiste ainda que é necessário “formar pessoal bilingue de Macau, China e dos países lusófonos , em prol de uma reserva de talentos no âmbito do comércio”. Ma Chi Seng defende ainda que se deve “reforçar a promoção do português no ensino não superior”, salientando que a falta de docentes constitui “a principal limitação para a promoção desta língua nas escolas primárias e secundárias”.

Wong Kit Cheng assinalou que “a taxa de utilização e de generalização do português não tem sido alta, e a sociedade também ignora a importância do português”. Recomenda por isso a deputada que, em matéria de formação de talentos bilingues, “o Governo promova políticas de desenvolvimento do seu ensino e concretize o plano de ensino de ‘três línguas escritas (chinês, português e inglês) e quatro faladas (cantonense, mandarim, português e inglês) mencionado no plano quinquenal”.

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s