Departamento de Português da UM cria centro de formação de professores

A novidade foi avançada à agência Lusa por Yao Jingming. O novo director do Departamento de Português da Universidade de Macau tomou posse em meados de Agosto e dá agora a conhecer os seus planos para o ensino da língua na maior instituição de ensino superior do território. Em carteira está também a criação de um centro de tradução com características marcadamente literárias.

1-yao-jingming

O novo director do departamento de Português da Universidade de Macau, Yao Jingming, promete várias novidades, desde um centro de formação de professores, passando por produção de material didáctico e planos de leitura a um centro de tradução.

“Estamos a trabalhar muito para tentar trazer algumas mudanças ao departamento de Português”, disse à  agência Lusa o também poeta e tradutor, que assumiu o novo cargo em meados de Agosto.

A lista de projectos acaba por se revelar extensa. O académico espera em breve pôr em funcionamento um centro de ensino e formação de professores, que trabalha em parceria com o Fórum Macau e com outras faculdades da Universidade de Macau (UM). A maior instituição de ensino superior de Macau uniformizou ainda os manuais utilizados e está a trabalhar na criação, pela primeira vez, de materiais didácticos próprios e  quer criar um centro de tradução que funcione com entidades externas à UM. O organismo dirigido por Yao Jingming vai avançar com um plano de leitura lusófona que visa ser obrigatória aos alunos, entre outros projectos.

Yao explicou que o Centro de Ensino e Formação em Língua Chinesa e Portuguesa, além de pensado para servir os alunos do departamento, pretende oferecer formação a professores de Português locais e da República Popular da China: “Muitos professores são jovens, não têm suficiente experiência, por isso precisam de formação”, disse.

O centro, que Yao espera que esteja a funcionar em 2017, será também vocacionado para o “apoio linguístico” a cursos profissionalizantes ou intensivos para alunos ou quadros de países lusófonos, quer de outras faculdades da UM, quer os ministrados pelo Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, conhecido como Fórum Macau.

Em relação aos materiais de ensino, já fez arrancar a produção de uma gramática de língua portuguesa, “tendo em conta as características dos alunos locais”, e um livro sobre cultura dos países lusófonos, sendo esta a primeira vez que o departamento o faz.

Tal é “muito importante”, já que os alunos “querem ter materiais sistemáticos, correntes, para estudar passo-a-passo”. Enquanto esta produção não é finalizada, foram já uniformizados os materiais didácticos, para quebrar com o padrão de “cada um ensina à sua maneira”.

Este é um dos pontos em que Yao concede que o facto de ser chinês – o primeiro a dirigir o departamento – pode ser uma mais-valia: “Se calhar, como chinês, conheço melhor as características dos alunos, a maneira de ser deles, as dificuldades que encontram. Para nós não é uma língua fácil de aprender. Por isso estamos a fazer algumas mudanças, a uniformização de programas, de materiais, porque assim os chineses conseguem estudar de forma mais sistemática. Tudo tem de estar claro, em vez de ‘Olha uma fotocópia, amanhã é outra fotocópia’. Isso causava alguma confusão”, admite.

Em elaboração está também um plano de leitura que “se calhar vai ser uma coisa obrigatória” e inserida na avaliação contínua: “Cada aluno tem de ler um número determinado de títulos”, explica, indicando que a lista de obras está agora a ser elaborada.

Um autor que constará da lista é Eduardo Lourenço, que Yao já recomenda aos seus alunos de mestrado: “Através de qualquer livro dele vão ficar a conhecer muito mais, não só sobre a história, mas o pensamento e a maneira de ser dos portugueses”, disse.

O departamento de Português da Universidade de Macau tem actualmente 28 docentes e cerca de 500 alunos, e se a maioria ingressa tendo em vista um emprego na Função Pública, alguns tornam-se professores (alguns em universidades chinesas) e outros revelam “grande sensibilidade para a palavra”.

É a pensar nestes, mas não só, que Yao propõe ainda a criação de um núcleo de tradução. A ideia surgiu no seguimento de um projecto em que está envolvido, de tradução de clássicos da literatura em chinês e português, apoiado pelo Governo central da China.

As obras portuguesas, entre 16 ou 18, vão ser as primeiras a ser traduzidas, de autores como Camões, e Fernando Pessoa, mas também contemporâneos como António Lobo Antunes, Gonçalo M. Tavares e José Luís Peixoto: “Queria que o meu departamento ficasse envolvido neste projecto porque temos alunos de qualidade, com sensibilidade literária”, indica, considerando que esse seria um bom arranque para o centro de tradução.

Numa fase posterior, serão traduzidas obras chinesas para português, um “desafio ainda maior” já que “quase não há sinólogos em Portugal que possam assumir esse trabalho de tradução”.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s