Instituto Politécnico chega aos 25 anos com vontade de crescer

A instituição de ensino superior dirigida por Lei Heong Iek quer oferecer um maior número de mestrados e doutoramentos. O Instituto Politécnico de Macau completa amanhã 25 anos e aposta na expansão da oferta académica de forma a atingir um patamar de excelência mais elevado.

1-politecnica

Uma das principais metas do Instituto Politécnico de Macau (IPM) é dar o salto académico, oferecendo mais mestrados e doutoramentos, quando celebra, na próxima sexta-feira, 25 anos de existência, disse o presidente da instituição.

O futuro do IPM passa por disponibilizar “mais cursos de mestrado e de doutoramento” para poder crescer para um nível académico mais elevado, disse à agência Lusa Lei Heong Iok, recordando que a anterior aposta incidiu nas licenciaturas e que, neste momento, o IPM tem cursos de mestrado e doutoramento “só com a ajuda ou em cooperação com outras universidades”, particularmente portuguesas.

O presidente do Instituto dividiu o percurso do IPM em dois grandes períodos: o da criação – anterior a 1999, data do regresso de Macau à soberania chinesa– e o da modernização ou consolidação do seu desenvolvimento.

O IPM foi criado a 16 de Setembro de 1991 por um decreto-lei que o tornou independente da Universidade da Ásia Oriental, organismo que deu origem à Universidade de Macau: “O IPM separou-se, e quando saiu da Taipa para a península [de Macau], tinha três cursos”, recordou Lei, dando conta de que foi crescendo, paulatinamente, com a anexação de escolas ou unidades de centros públicos: “Seguiu-se o conceito do politécnico português”.

Já no capítulo da investigação, o IPM “não fazia quase nada”, “limitando-se quase totalmente à formação, ao ensino”, observou Lei Heong Ieok. Com o passar dos anos a situação alterou-se, sendo que hoje em dia mais de 65 por cento do corpo docente tem o grau de doutoramento contra 3 por cento dessa primeira fase, destacou.

Esse período de criação foi ainda marcado por o que Lei Heong Iok qualifica de “grande conquista”: o IPM deixou de funcionar disperso por edifícios arrendados com a “importante decisão” do último governador português, Rocha Vieira, de lhe permitir ter um ‘campus’ próprio, ao dar ao IPM as instalações do antigo Liceu de Macau, desenhado pelo arquitecto Tomás Taveira: “1999 foi um ano decisivo, um ponto de viragem”, considerou Lei Heong Iok que, nas vésperas da transferência, assumiu a presidência do IPM, ali permanecendo até hoje.

O Instituto Politécnico de Macau cruzou o milénio com seis escolas, tantas quantas tem hoje: Língua e Tradução (a mais antiga), Saúde, Administração Pública, Educação e Desporto, Gestão e Artes. “Mantemos seis, mas o conteúdo e essência alteraram-se muito”, até porque, “nessa altura, esses cursos só conferiam graus de bacharelato”, afirmou.

“Pouco a pouco, transformámos os bacharelatos em licenciaturas”, contou Lei Heong Iok, sem esquecer a questão – “não menos importante” – da acreditação.

A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior de Portugal validou, até ao momento, dois – o de Administração Pública e o de Tradução/Interpretação português-chinês/chinês-português –, sendo que o IPM pretende pedir ajuda para mais cursos, incluindo na área da Saúde, de forma “a garantir a [sua] qualidade e reconhecimento internacional”.

Outra grande conquista tem a ver com a criação de “uma rede de parceria ou internacionalização”: “Começámos um período mais intensivo de cooperação com Portugal”, a qual se “desenvolveu de uma maneira muito feliz”.

Expandiu-se tanto ao nível dos cursos conferentes de grau – da licenciatura passou-se ao mestrado e depois ao doutoramento –, como no plano das áreas – da língua e cultura alargou-se à administração pública, à informática, entre outros.

O IPM coopera com o Instituto Politécnico de Leiria e com a Universidade de Lisboa e a de Coimbra no plano dos cursos, com Lei Heong Iok a destacar outro “grande importante parceiro” em Portugal ao nível da mobilidade dos estudantes: o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos.

O IPM iniciou o actuai ano lectivo com aproximadamente 3.000 alunos nos cursos de licenciatura, 400 em mestrados e doutoramentos, a somar a cerca de 100 estudantes de intercâmbio – mais do dobro face aos inscritos no ano lectivos 1999/2000.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s