Benfica perdulário garantiu vitória frente a Monte Carlo  

Os canarinhos só “acordaram” para a partida depois de sofrerem o segundo golo. Benfica não dilatou o marcador e acabou por sofrer até ao final. O deslize do Ka I frente ao Sporting empurrou as águias de novo para a liderança do Campeonato.

Sandra Lobo Pimentel

A chuva deu tréguas na noite de sábado para um dos jogos grandes da 13a jornada da Liga de Elite, que opunha Benfica e Monte Carlo na luta pelos lugares cimeiros do campeonato.

E bem se pode dizer que os canarinhos deram 45 minutos de descanso aos comandados de Bruno Álvares, já que o onze de amarelo andou longe da baliza à guarda de Rui Nibra durante toda a primeira parte.

O Benfica surgiu com William Gomes de início, uma novidade face aos últimos jogos, com o habitual artilheiro dos encarnados a dar pano para mangas à defensiva do Monte Carlo até ser substituído aos 85 minutos, rendido por Luisinho.

Foi aliás ao brasileiro que foi atribuído o primeiro golo dos encarnados, aos nove minutos, apesar de ter sido o capitão do Monte Carlo, Paulo Cheang, a desviar a bola para a própria baliza.

O Benfica chegou ao golo cedo com essa felicidade, mas a verdade é que o primeiro remate à baliza protagonizado pelo Monte Carlo apenas surgiu aos 17 minutos, com Thiago Silva a rematar cruzado com a bola a passar perto do poste.

Até ao final da primeira parte, os encarnados comandaram a partida, sempre no ataque, com o inevitável William Gomes bem perto do golo, primeiro num cabeceamento que saiu por cima, aos 30 minutos, e depois numa boa jogada de entendimento com Marco Meireles, que serviu o brasileiro depois de um excelente passe de Cuco, mas não conseguiu finalizar.

Para a segunda metade, nenhum dos técnicos fez alterações ao intervalo e foi o Benfica que chegou ao 2-0, à passagem do minuto 51, na sequência de um canto. A bola levantada para a área foi bem aproveitada por Nicholas Torrão que, livre de marcação, desferiu um portentoso remate sem hipótese de defesa para o guarda-redes canarinho.

O segundo golo dos encarnados acabou por ter o condão de despertar o Monte Carlo, que tinha em Makson o elemento mais inconformado tentando levar a equipa para o ataque. Aos 57 minutos, o técnico dos amarelos tirou de uma assentada os brasileiros Paulo da Silva e Thiago Silva, e colocou os dois reforços chineses, Wong Ka Fu e Tou Chi Keong.

Ainda assim, era o Benfica que continuava a perder oportunidades de golo mais flagrantes, mas o Monte Carlo dava sinais de mais fulgor atacante e começaram a surgir os lances de perigo.

Aos 83 minutos, à entrada da área, numa jogada de ataque pelo lado direito, Tou Chi Keong tirou da cartola um chapéu inesperado, em especial, para Rui Nibra, que parece ligeiramente adiantado.

Batido o guarda-redes das águias, estava feito o 2-1, e com sete minutos até ao fim do tempo regulamentar, o Monte Carlo ainda fez o Benfica passar por aflições até ao apito final do árbitro Tharanga.

Os campeões em título tiveram que guardar bem a baliza, já que os canarinhos continuavam sem dar tréguas no ataque, talvez tarde demais, acabando por não conseguir a igualdade, mas com o terceiro lugar da tabela garantido.

Equipas firmes nos objectivos

No final da partida, Makson lamentou que a sua equipa não tenha conseguido estratégia para pontuar frente ao Benfica, mas reconhece que “treinamos de uma forma, mas quando chega o jogo nunca sabemos, é quase sempre uma surpresa”.

O médio brasileiro garantiu ao PONTO FINAL que, ainda assim, os jogadores do Monte Carlo “dão sempre o máximo, mas, infelizmente, não tivemos um bom estilo de jogo na primeira parte”. O jogador reconhece que só nos segundos 45 minutos a sua equipa conseguiu “meter a cabeça no lugar”, mas já era tarde.

Os canarinhos mantêm-se, ainda assim, no terceiro lugar da tabela, e Makson promete “luta até ao final” pelo melhor lugar que conseguirem. “Sabemos que não temos o plantel do Benfica ou do Ka I, mas vamos trabalhar”.

Do lado dos encarnados, Bruno Álvares era um treinador satisfeito com os três pontos, até porque a sua equipa cumpriu a sua parte na perseguição ao Ka I.

O técnico referiu ao PONTO FINAL que a estratégia montada foi conseguida, “com duas oportunidades claras de golo na primeira parte”, e com Chan Man e Iuri Capelo a “explorar os corredores laterais do Monte Carlo”.

As oportunidades criadas e não conseguidas também não ajudaram, com Bruno Álvares a reconhecer que “o resultado podia ter sido maior até ao 2-0”.

Os resultados do Ka I, por agora, não interessam ao treinador dos encarnados, uma vez que “não dependem de nós”, garantindo que o pensamento “já está no jogo com a Casa de Portugal”.

Resultados

13a jornada

Sub-23 0 – 1 CPK

Polícia 1 – 1 Casa de Portugal

Benfica 2 – 1 Monte Carlo

Chuac Lun 0 – 4  Lai Chi

Ka I 1  – 3 Sporting

Classificação

Liga de Elite 2015

  1. Benfica 32 pontos
  2. Ka I 31 pontos
  3. Monte Carlo 26 pontos
  4. Sporting 25 pontos
  5. Chao Pak Kei 23 pontos
  6. Lai Chi 16 pontos
  7. Casa de Portugal 11 pontos
  8. Chuac Lun 10 pontos
  9. Polícia 9 pontos
  10. Sub-23 1 ponto

Leave a Reply

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s