Activista Bill Chou suspenso da Universidade de Macau

Bill ChouO professor diz que está a ser acusado de impor uma ideologia política aos alunos e vai recorrer da sanção disciplinar.

Sónia Nunes

O professor de ciência política e activista do grupo Consciência de Macau Bill Chou foi suspenso da Universidade de Macau (UM) por 24 dias, sem vencimento. A sanção resulta de um processo disciplinar instaurado em Dezembro, um mês depois de o académico se ter tornado membro da Associação Novo Macau, que lidera o movimento pró-democracia local e é também dirigida por Jason Chao.

Bill Chou teve conhecimento da suspensão a 11 de Julho e continua a apresentar-se na universidade. “Não me dizem a partir de quando é que a decisão tem efeitos. Esta é apenas uma das muitas coisas que não consigo fazer com que me expliquem”, diz.

A UM decidiu abrir um processo disciplinar contra Bill Chou por suspeita de violação de regras internas e obrigações profissionais. O académico concretiza: “Estou a ser acusado de impor as minhas convicções políticas aos alunos, de não dar a conhecer todos os espectros de opinião e de discriminar estudantes”.

Quando confirmou a investigação a Bill Chou, a universidade afirmou que nenhum funcionário “não foi nem será” alvo de processo disciplinar por causa de “declarações políticas junto da comunidade”. No sábado, o reitor da UM, Wei Zhao, confirmou ao Canal Macau que há mais professores acusados de violar regras internas. “Posso afirmar categoricamente que nós definimos uma regra, que exigimos que todos os professores, todos os académicos, sigam no local do trabalho. Ele [Bill Chou] não é o primeiro, nem é o único sujeito a processo disciplinar”, declarou.

A Consciência de Macau diz que há mais cinco académicos que correm o risco de ser penalizados por terem sido críticos do Governo em entrevistas. O secretário para os Assuntos e Sociais, Cheong U, disse não ter informações nesse sentido e destacou que o processo de Bill Chou “pode até não estar relacionado com liberdade académica ou de expressão” já que as universidades “são autónomas, sendo normal a gestão de pessoal feita de acordo com os regulamentos próprios”.

“Se há regras internas devia ser informado que elas existem. Devia recebido um aviso escrito ou verbal”, diz Biil Chou, ao garantir que “outros professores veteranos também não sabem” qual a regra a que o reitor Wei Zhao se refere.

O activista refere ainda que a UM “não apresentou factos” para sustentar as acusações e pretende contestar a decisão de suspensão de funções junto do presidente do Conselho da Universidade, Tse Chi Wai. “Não posso aceitar este desfecho. Tenho de reagir”, destaca.

Questionado sobre se mantém a afirmação de que o caso tem uma motivação política, Bill Chou diz que “não é difícil perceber o que aconteceu” pela consulta de documentos do processo disciplinar, que pretende divulgar caso venha a deixar a universidade e que incluem “opiniões de figuras políticas”.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s